O MAL E O REMÉDIO

DO EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO  —  SANTO AGOSTINHO  PARIS 1863

 

Vossa terra é por acaso um lugar de alegria, aos vossos ouvidos? Não clamou Ele que haveria choro e ranger de dentes para os que nascesse neste vale de dores? Vós que nele viestes viver esperais, portanto, lagrimas ardentes e penas amargas, e quanto mais agudas e profundas forem as vossas dores, voltai os vossos olhos ao céu e bendizei ao Senhor, por vos ter querido provar! Oh, homens! Não reconhecereis  o poder de Vosso Senhor, senão quando Ele curar as chagas de vosso corpo e encher os vossos dias de beatitude e de alegria? Não reconhecereis o seu amor, senão quando Ele adornar vosso corpo com todas as glórias, e lhes der o seu brilho e o seu alvor? Imitai aquele que vos foi dado para exemplo. Chegado ao último degrau da abjeção e da miséria, estendido sobre um monturo ele clamou a Deus. Senhor! Conheci todas as alegrias da opulência e vos me reduzistes à mais profunda miséria! Graças, graças, meu Deus por terdes querido provar o vosso servo! Até quando os vossos olhos só alcançarão os horizontes marcados pela morte? Quando enfim vossa alma quererá lançar-se além dos limites do túmulo? Mas ainda que tivésseis de sofrer uma vida inteira que seria isso ao lado da eternidade de glória reservada àquele que houver suportado a prova com fé, amor e resignação? Procurai, pois, a consolação para os vossos males no futuro que Deus vos prepara, e vós, os que mais sofreis, julgai-vos-eis os bem-aventurados da terra.

 

 

Anúncios

CAPITULO XIII

DO EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO

CARIDADE MATERIAL E CARIDADE MORAL     IRMÃ ROSÁLIA PARIS 1860

“Amemo-nos uns aos outros e façamos aos outros o que quereríamos que nos fosse feito.“ Toda a religião, toda a moral, se encerram nestes dois preceitos. Se eles fossem seguidos no mundo todos seriam perfeitos. Não haveria ódio, nem ressentimentos. Direi mais ainda: não haveria pobreza, porque, do supérfluo da mesa de cada rico, quantos pobres seriam alimentados! E assim não se veriam, nos bairros sombrios em que vivi, na minha última encarnação, pobres mulheres arrastando consigo miseráveis crianças necessitadas de tudo.

FILHOS MIMADOS

Se cada pais que enchem seus filhos de mimos e brinquedos, se conscientizassem de que há em cada semáforo uma criança limpando vidros de carros para ganhar uma moedinhas e depois, vão até roubar para ajudar nas despesas da família;

Se esses pais tirassem a metade do que dão para seus filhos e se reunissem em grupos de condomínio ou do bairro e com esse dinheiro criassem abrigos para menores abandonados, onde estes iriam receber educação, abrigo e alimentação. Isso seria uma atitude benéfica a essas crianças abandonadas e aos seus próprios filhos que iriam poder sentir melhor a realidade da vida e aprender altruísmo.

Mas infelizmente o egoísmo das famílias prefere enfiar no próprio rabo a renda que conseguem através do seu pseudo suor.

 

 

Fabio A. S. Prado

ocultista

 

CAPITULO XX

DO EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO

 

MISSÃO DOS ESPÍRITAS     ERASTO  PARIS 1863

Não percebeis desde já a formação da tempestade que deve assolar o velho mundo, e reduzir a nada a soma das iniquidades terrenas? Ah bendizei o Senhor, vós que tendes fé na sua soberana justiça, e que, novos apóstolos da crença revelada pelas vozes proféticas superiores, ides pregar o dogma novo da reencarnação e da elevação dos espíritos, segundo o bom ou mau desempenho de suas missões e a maneira por que suportaram as suas provas terrenas.

Deixai de temores! As línguas de fogo estão sobre as vossas cabeças. Oh, verdadeiros adeptos do espiritismo: Vós sois os eleitos de Deus! Ide e pregai a palavra divina. É chegada a hora em que deveis sacrificar os vossos hábitos, os vossos trabalhos, as vossas futilidades, à sua propagação. Ide e pregai: Os espíritos elevados estão convosco. Falareis, certamente, a pessoas que não quererão escutara palavra de Deus, porque essa palavra os convida incessantemente ao sacrifício.

 

 

A ENERGIA

Eu me lembro que no livro A Erva do Diabo de Carlos Castaneda: O índio diz a Castaneda que ele procurasse o lugar ideal para se sentar na varanda onde eles costumavam conversar. Disse que ele procurasse o lugar onde ele sentiria que era seu ponto de energia.

Todos nós temos em nossa casa um ponto de energia onde nos sentimos melhor, onde nossa energia se afina com a energia do local, seja na varanda, na sala ou no quarto.

Esse é o local onde devemos sempre estar para nosso maior conforto no encontro dessas energias.

Outra coisa muito importante é dormir com a cabeceira da cama voltada para o norte magnético, para que durante o sono recebamos o magnetismo pelo nosso chakra coronário.

Evitar deixar a cabeceira da cama no sentido em que o rio corre, pois essas aguas correntes levam embora nossas energias pelo mesmo chakra coronário.

Nunca ficar em ambientes de baixo de vigas por onde as energia correm e nos enfraquecem.

 

 

Fabio A. S. Prado

ocultista

 

 

Do Evangelho Segundo o Espiritismo Se perdoardes aos homens as ofensas que vos fazem, também vosso Pai Celestial vos perdoará os vossos pecados. Mas se não perdoardes aos homens, tampouco vosso Pai vos perdoará os vossos pecados. (Mateus VI: 14 – 15). A misericórdia é o complemento da mansuetude, pois os que não são misericordiosos também não são mansos e pacíficos. Ela consiste no esquecimento e no perdão das ofensas. O ódio e o rancor denotam uma alma sem elevação e sem grandeza. O esquecimento das ofensas é próprio das almas elevadas, que pairam acima do mal que lhes quiserem fazer. Uma está sempre inquieta, é de uma sensibilidade sombria e amargurada. A outra é calma, cheia de mansuetude e caridade.

CAPITULO X

Do Evangelho Segundo o Espiritismo

Se perdoardes aos homens as ofensas que vos fazem, também vosso Pai Celestial vos perdoará os vossos pecados. Mas se não perdoardes aos homens, tampouco vosso Pai vos perdoará os vossos pecados.  (Mateus VI: 14 – 15).

A misericórdia é o complemento da mansuetude, pois os que não são misericordiosos também não são mansos e pacíficos. Ela consiste no esquecimento e no perdão das ofensas. O ódio e o rancor denotam uma alma sem elevação e sem grandeza. O esquecimento das ofensas é próprio das almas elevadas, que pairam acima do mal que lhes quiserem fazer. Uma está sempre inquieta, é de uma sensibilidade sombria e amargurada. A outra é calma, cheia de mansuetude e caridade.