Simbologia Mística

O início da Evolução do ser se dá, na tomada de consciência que o símio superior tem, e com isso se torna primata. Neste dado momento, há um ponto de partida que representamos como um ponto que vai subindo em forma de espiral elíptica. Essa espiral, vista de cima , nos dá o formato de um circulo, que  dá a impressão de uma suástica que não devemos confundir com a cruz gamada, que representa as forças negras, que foi utilizada pelos nazistas.

1

A suástica está no símbolo da teosofia, e representa a evolução do ser, pois gira no sentido horário, ao contrário da cruz gamada, que gira no sentido anti-horário, representando o anti-Cristo.

A suástica, representa a planta da cruz do cristianismo girando a medida que aquele ponto foi se expandindo para cima e para os lados.

Em arquitetura temos, planta, elevação e lateral. Se desenharmos a cruz nestas posições, teremos.

2

Por tanto, se observarmos a planta da cruz girando no sentido horário, teremos a suástica, e aquele ponto que se expandiu subindo em espiral elíptica , nos dá a forma de elevação da cruz ou a própria cruz.

Desta forma, podemos observar o relacionamento entre a cruz e a mandala.

A evolução do ser, desde seu início, sua criação , até o seu retorno ao absoluto é representado pela cruz do cristianismo – assim como também no evangelho pela parábola do filho pródigo, que Goethe poetizou magistralmente em Fausto. Outra interpretação fascinante, que faz analogia com o filho pródigo, é o livro Demian de Hermann Hesse.

Podemos comparar, Caim ao filho  pródigo, e não Abel como muitos supõe, pois, Caim é bom não por ter matado Abel, mas por ter experimentado o pecado e estar retornando ao Pai. Abel, era o pseudo bom, como o irmão do pródigo, que ficou em casa e não experimentou o mundo, o pecado; pois só pode ser definitivamente bom, aquele que já foi ruim e se redimiu. Abel  é o protótipo do bom filho, companheiro da mãe, aquele que frequenta as aulas, vai buscar pão na padaria, dá os bons exemplos e é considerado por todos o bom filho, o exemplo de pessoa, mas são esses os piores demônios em potencial, pois ainda não tiveram coragem suficiente para se lançar a vida mundana como o filho pródigo.

Destarte os Cains, os Judas Iscariotes que já se redimiram, estão ao lado do Pai, enquanto os Abels, ainda não começaram sua trajetória mundana, isso é claro, se sua bondade não for a bondade autêntica, conquistada e definitiva.

A linha horizontal representa na evolução, os dois lados da balança, de um lado a razão, de outro  o sentimento, de um o masculino ou yin, de outro o feminino ou yan, de um a evolução moral, de outro a evolução material.

A horizontal representa a personalidade, que no seu início, não passa de um ponto que cresce horizontalmente até se fartar, como o filho pródigo se fartou e começou a passar fome, fome esta de espírito, fome de Deus. Seu retorno a casa do Pai, representa  a diminuição da horizontal em favor da vertical, que representa o eu superior.

Quando Krishna, na Bhagavad Gita, aconselha seu discípulo Arjuna a matar seus parentes, coisa que muitos não conseguem entender, ele quer que o jovem neutralize sua personalidade em favor do seu eu superior, ou seja, o mesmo que Jesus quis dizer com:¨ Quem perder a sua vida ganha-la-a ´´. Esses parentes são as nossas imperfeições, que alimentadas pela personalidade, geram as doze punições irracionais da cabala: Ignorância, tristeza, corrupção, concupiscência, injustiça, cupidez, engano, inveja, fraude, cólera, precipitação e maldade.

O desenvolvimento deste ponto, ou do ser, começa a se manifestar no reino vegetal, e no animal se prepara através de almas grupo, para assumir a individualidade que tem como característica principal a consciência e o nascimento da personalidade, do homem horizontal. A partir dai esse ser que comeu o fruto do bem e do mal, terá pela frente uma longa caminhada, passando por ´´várias moradas na casa de meu Pai“, assumindo o papel de ´´virgens tolas e virgens sábias“, até atingir a perfeição, do latim ´´per factus“, que quer dizer perto do foto, fato esse Divino, ou a integração total com o Absoluto, ou do aniquilamento total do homem horizontal, permitindo a plena verticalização do ser.

Já falamos do filho pródigo, agora vamos compreender o significado da frase: “Na casa de meu Pai há várias moradas´´.

Quando o planeta Terra, após longo período de sua formação, no final da terceira raça; a Lemuriana, aquela que foi a terceira em escala, mas a primeira a desenvolver o corpo físico; Sanat Kumara o primeiro Manu, o logos planetário, o espirito que habita o planeta Terra, trouxe de Venus, espirito que viriam ajudar no desenvolvimento da sexualidade. Espíritos esses, que foram chamados de Senhores da Chama.

Os lemurianos tinham corpos altíssimos, com até três metros de altura, um olho só no centro da testa e foram os primeiros seres a receber a divisão do sexo masculino e feminino, pois  as raças anteriores eram hermafroditas  e gelatinosas.

Esse olho no centro da testa se retraiu dando origem aos dois olhos atuais. Ele também  não só podia enxergar materialmente como espiritualmente.

Da retração física desse olho se originou a glândula pituitária, que no futuro, seu desenvolvimento trará ao iniciado aquela que atualmente chamamos de terceira visão ou clarividência.

Seus remanescentes são os negros, assim como os chineses e japoneses o são da raça atlante,  a quarta raça raiz.

Remanescentes da terceira sub-raça da raça atlante, também espalharam-se pelas Américas, como no Peru e nos EUA, os peles vermelhas.  A quinta  , a atual, teve início na India e sua primeira sub-raça chamou-se Ária. Dai a quinta raça ser chamada de Ariana. A segunda sub-raça foi a Ario-Semita dos Fenícios e Egípcios. A terceira foi a Iraniana guiada por Zaratustra ou Zoroastro, estabelecida na Pérsia. A quarta, foi a Celta, originada na Grécia por Orfeu. Atualmente somos a quinta sub-raça, a Teutônica, da quinta raça raiz.

Hoje sabemos que dois terços da população da Terra irão para outro planeta, que se encontra nas mesmas condições que a Terra há alguns milhões de anos atrás.

Assim entendemos as palavras de Jesus, “Há várias moradas na casa de meu Pai´´, pois, conforme evoluímos ou regredimos, iremos habitar em moradas que sejam propícias as nossas condições.

Na mesma linha de pensamento está situada a “parábola das dez virgens´´ (Mt. 25,1) que representa a população atual do planeta Terra.

As cinco virgens tolas são aqueles espíritos que não atingiram a condição necessária para continuar na Terra e terão que ir para outro planeta, de acordo com as suas condições. As cinco virgens sábias tinham  o azeite para acender as suas lâmpadas, ou seja, tinham o combustível de auto-iluminação,  estavam aptas para as núpcias. Mas que núpcias ? As virgens, já falamos, são parte da população que estão prontas para o matrimonio com o Cristo, o noivo que representa a luz, a iluminação. E quem é Cristo ?

Cada raça raiz tem um regente cujo título é Senhor do Mundo.  Na quarta raça, esse regente foi aquele que se encarnou 600 AC e ficou conhecido como Budha. Sua missão foi trazer o aspecto sabedoria do segundo raio, Ele foi o Senhor do Mundo até a quarta sub-raça da nossa quinta raça raiz. Após ter atingido a iluminação subiu na escala hierárquica a outros postos mais elevados, passando assim o cargo de dirigente do segundo raio, de Senhor do Mundo para aquele que é conhecido por Maitreya,  o Cristo. O Senhor Maitreya espirito oriundo de outro sistema e cujas vibrações eram altíssimas para formar um corpo físico humano e com a missão de trazer o evangelho, o aspecto amor do segundo raio, teve que descer à carne por meio de um alto iniciado que se reencarnou com o nome de Jesus. Jesus reencarnou para que o Cristo descesse a Terra por seu intermédio para cumprir sua missão, o que aconteceu durante o batismo no Rio Jordão.

A palavra Cristo vem do grego Chriein, que quer dizer ungir e tem como particípio, Christós. Portanto Cristo quer dizer Ungido.

A palavra Jesus é formada por três palavras do aramaico, um dialeto hebraico que são: “Y – E – US,  foi, é e será.

Jesus que há dois mil anos havia recebido a terceira e quarta iniciação, atingiu recentemente a sexta iniciação, o que lhe conferiu o titulo de Chohan. Atualmente deixou o cargo de diretor do sexto raio para se tornar o Boddhisatva,  o dirigente do segundo raio. O Cristo atual.

Com a entrada da era de aquário, as Forças Cósmicas estão  deixando de se concentrar no sexto raio para estimular o sétimo, que tem a função de reorganizar a humanidade nessa nova era que se inicia.

Saint Germain, o dirigente deste raio, tem com suas hostes o encargo de restabelecer a cultura da paz, com a transmutação da Chama Violeta.

Ter azeite para as lâmpadas é ser Ungido, Cristificado.

Estas núpcias, acima referidas, nada mais são que o conúbio espiritual da humanidade com o Cristo Redentor, a passagem de uma condição inferior para uma superior,  a condição de não mais acender a luz da personalidade intermitentemente, mas a luz do Eu Superior ininterrupta.

As palavras finais da parábola, “vigiai pois, porque não sabeis o dia nem a hora´´ significa, um dia, não se sabe quando nem onde, em algures, ela estará apta a receber o esposo para consagrarem as núpcias.

Se colocarmos o circulo sobre a cruz, teremos  o Ankh dos  egípcios ou arvore sephirótica da cabala.

3

O Ankh com seus dez pontos também está relacionado com a evolução do ser.

O circulo representa a cabeça; o espirito sobre a matéria; e a cruz, o corpo.

Dez pontos estão representando os chakras no homem.

Os chakras são centros de energia em forma de círculos situados ao longo da espinha dorsal em número de sete.

Além dos sete chakras principais existem outros secundários que não vamos tratar deles aqui.

No topo, o sétimo chakra, o coronário (sahasrara) que no homem evoluído ativa a glândula pineal e desenvolve a espiritualidade.

Os dois mais abaixo, representam o frontal, (ajna), no centro da testa que ativa a terceira visão pelo desenvolvimento da glândula pituitária.

Os outros dois mais embaixo no circulo, representam o chakra laríngeo, (vishuddha), ativa a glândula tireoide, desenvolve a inteligência através da verbalização.

No centro da cruz, o chakra cardíaco,(anahata), ativa a glândula timo que desperta a sensibilidade e o amor.

Nas extremidades dos braços, as energias do plexo solar, oriundas do chakra solar, (manipura) que manifesta as emoções, ativa o pâncreas.

Mais abaixo temos o chakra sacro, (svadhisthana), onde as energias são mantidas para a reprodução da espécie, ativa as gônadas.

Por último temos o chakra fundamental, (muladhara), onde as potências espirituais do homem dormem, até que ele esteja pronto, (purificado), para que o fogo desperte e suba através da coluna vertebral, despertando todos os sete chakras, ativa as supra-renais.

Os pontos do circulo juntos com o ponto no alto da cruz formam dois triângulos entrelaçados, que por sua vez formam uma estrela de seis pontas, a estrela de Davi.

O triângulo superior representa a união das energias dos chakras da coroa, a sede da consciência, e o ajna na testa, onde flui o prana que vitaliza o homem, formando um centro único que triangula com o chakra cardíaco, o centro da vida, e o chakra laríngeo, a sede da inteligência.

O triângulo inferior representa as forças dos chakras, solar, onde estão concentradas as energias  do corpo astral e que governam os desejos e as emoções, o chakra sacro que ativa as energias sexuais, e o da base que sustenta a mente inferior, a mente instintiva para a conservação da espécie.

O chakra básico no homem gira no sentido horário, é positivo, (yang),  ativo. Na mulher esse chakra gira para a esquerda, é negativo, (yin), passivo. Por tanto esse chakra que liga o ser humano à terra é ativo no homem e passivo na mulher.

O chakra sacro que coordena os órgãos reprodutores gira no homem para a esquerda e para a direita na mulher lhe proporcionando a atividade para a gestação.

O terceiro, o solar gira para a direita no homem e para a esquerda na mulher e assim sucessivamente se alternando até o sétimo chakra. Esse movimento circulatório sobe através dos chakras em forma elíptica.

O desenvolvimento desses chakras deve ocorrer naturalmente a medida em que o ser evolui e se purifica.

Usar técnicas e exercícios para esse fim torna-se perigoso, pois o fogo provoca a queima e a destruição de teias etéricas que protegem os chakras de serem ativados antes da hora.

A ativação dos chakras indevidamente, pode provocar uma super estimulação das células cerebrais, causando com isso tumores e insanidade.

Paralelo a coluna vertebral, há três colunas etéricas, ou (nádis)  que tem os nomes em sânscrito: sushumna, pingala e ida.

Sushumna é a coluna central, ida e pingala são as laterais.

Em processo normal, o fogo kundaline ou fogo da matéria, sobe através de pingala queimando as teias etéricas e permitindo a energia fluir livremente ativando os sete chakras.

O fogo de manas,  oriundo do chakra laríngeo, flui através de ida desenvolvendo os poderes mentais.

O fogo do espirito penetra pelo chakra coronário e flui através de sushumna, permitindo a conclusão do antahkarana, a ponte entre a personalidade, a alma e o espirito.

A energia solar ou positiva caminha através de pingala que tem seu início no chakra básico e sobe em espiral da direita para a esquerda até chegar na narina direita.

A energia lunar ou negativa, através de ida, sobe em espiral da esquerda para a direita, até chegar á narina esquerda.

O despertar dos chakras ocorre naturalmente e a esse evento é dado o nome de iniciação.

As três primeiras iniciações representam a libertação sucessiva de maya, miragem e ilusão.

Maya é a fascinação pelo plano físico ou material. Quando o ser se liberta com a matéria, tendo purificado todas as relações com esta, então recebe a primeira iniciação.

Miragem é a fascinação pelo plano astral e sua libertação a este o leva a segunda iniciação.

Ilusão é a fascinação pelo plano mental consequentemente seu domínio o leva a terceira iniciação.

O filme Feitiço do Tempo mostra primorosamente ação destas três fascinações.

Com exercícios de raja-yoga pode-se transmutaras energias do chakra sacro, energia sexual para o laríngeo, em inteligência. Do chakra solar, energia emocional, para o chakra cardíaco, em amor. Do chakra básico, apego a matéria, para o chakra coronário em altruísmo e dedicação.

sem-titulo

 

 

 

 

 

 

 

 Fabio A. S. Prado

                                                                                                                                                   ocultista

 

 

 

 

Anúncios

Publicado por

Blog Do Fábio Prado

Este blog visa criticar a situação caótica da vida social, politica e religiosa deste pais. Tudo que escrevo e talvez se Deus me permitir escreverei faz parte daquela verdade que acredito e há muitos anos venho estudando, pode não ser a sua verdade ou a verdade verdadeira, mas venho notando que no mundo há duas facções de pessoas, as que acreditam na reencarnação e as que não acreditam. É para aquelas que acreditam que vou tentar passar um pouco dos conhecimentos que adquiri ao longo desta existência. Peço a Deus que ilumine meus pensamentos e guie meus passos nessa trajetória de tentar me tornar um arauto do Senhor. Que a paz e o amor de Jesus esteja conosco agora e sempre. Não reparem a minha escrita pois só tenho o curso primário. Fabio A. S. Prado Ocultista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s